São Paulo: 11 2222.1090 |

Ribeirão Preto: 16 4042.1911 |

Piracicaba/SP: 19 3927-5600

Esclerose Lateral Amiotrófica: A doença de Stephen Hawking

A Esclerose Lateral Amiotrófica afeta a capacidade de se movimentar

A Esclerose Lateral Amiotrófica, também chamada de ELA, é uma doença degenerativa física progressiva. As pessoas que têm começam a perder a capacidade de se movimentar e controlar seus músculos, começando pelas pernas, braços e depois se espalhando para o resto do corpo. Quando atingem o órgão responsável pela respiração, considerado a fase mais grave, é necessário um aparelho que auxilie esse processo artificialmente.

A doença começou a se tornar conhecida após o desafio do balde de gelo e também com o filme sobre a vida do astrofísico britânico Stephen Hawking, chamado “A teoria de tudo”. Após a morte de Hawking, muitas dúvidas surgiram quanto aos sintomas e como indentificar essa doença que é considerada rara.

Diferente do que aconteceu com ele, que foi diagnosticado aos 21 anos e sobreviveu até os 76 anos, geralmente as pessoas que enfrentam essa doença sobrevivem apenas 2 a 4 anos. Além disso, a esclerose costuma atingir pessoas com mais de 50 anos. A manifestação acontece mais em homens do que em mulheres.

Quais são os sintomas da Esclerose Lateral Amiotrófica?

Os sintomas não aparecem todos de uma vez, eles vão surgindo progressivamente conforme o agravamento do caso. Os principais são:

  • Cãibras e contrações musculares
  • Perda de força
  • Rigidez e atrofia muscular
  • Perda progressiva da movimentação

Apesar de a manifestação dificultar a capacidade de viver sem precisar de alguma ajuda, isso por impossibilitar os movimentos, a memória, a inteligência e o juízo não são afetados. A pessoa consegue ter consciência de tudo o que está acontecendo e sua mente continua pensando da mesma forma. Como é o caso de Stephen Hawking que continuou desenvolvendo suas teorias.

Qual tratamento deve ser feito?

Ainda não existe um tratamento para a cura da ELA. Devido a isso, foi criado o desafio do balde de gelo em 2014. Seu objetivo era conscientizar e incentivar doações para a pesquisa dessa doença, tentando encontrar o causador e algum remédio que pudesse tratar. Com a arrecadação já foi possível identificar que 10% dos casos são de origem genética.

Para auxiliar os pacientes que se encontram nessa situação, os médicos fornecem tratamentos para amenizar os sintomas e dão suporte na tentativa de evitar complicações, como equipamentos para comer, respirar e se deslocar.

Como diagnosticar essa doença e qual médico procurar em caso de sintomas?

O diagnóstico da doença é feito por um Clínico Geral ou um Neurologista, isto porque é preciso avaliar todo o histórico e descartar outras doenças que podem ter sintomas semelhantes. Alguns exames como Eletromiografia e Ressonância Magnética também podem auxiliar a identificação. A ELA pode demorar muito tempo para ser diagnosticada por se tratar de uma doença rara.

Não encontrou aqui todas as informações que buscava? Deseja ser atendido por um de nossos especialistas? Clique no link abaixo e agende sua consulta:

AGENDE ONLINE!
AGENDE ONLINE Mande um WhatsApp
Mande um Whatsapp